Órgão vinculado à Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável  
Fepam
    Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler - RS   




 

 





Agendamento de Atendimento

Balneabilidade 2016-17

Diretrizes para Licenciamento de Hidrelétricas (CGHs e PCHs)

Zoneamento Ecológico-Econômico

Guia Licenciamento

Audiências Públicas




QUALIDADE AMBIENTAL

Projeto Balneabilidade

O Projeto

1. Introdução:

O Projeto Balneabilidade é executado anualmente no período do verão, desde 1979/1980, monitorando as condições bacteriológicas das águas utilizadas para contato primário no litoral gaúcho. Iniciou primeiramente no Litoral Norte, nos balneários de Torres a Quintão, nos balneários do Lago Guaíba, na Laguna dos Patos (Costa Doce), nos balneários dos municípios de Pelotas, Rio Grande e em Santa Vitória do Palmar, no Litoral Sul. Por último foram incluídos os balneários das Bacias Hidrográficas do Guaíba e do Uruguai. O Projeto tem por finalidade fornecer informações ao público sobre as condições de balneabilidade das praias e tem sido fator indutor e acelerador na instalação, monitoramento e aprimoramento de sistemas de coleta e tratamento de esgotos domésticos, principalmente no Litoral Norte.

2. Base Legal:

a) A Resolução nº 274 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), de 29 de novembro de 2000, define os critérios de balneabilidade em águas brasileiras, de forma a assegurar as condições necessárias à recreação de contato primário e é avaliada nas categorias própria e imprópria:
Própria: Quando em 80% ou mais de um conjunto de amostras coletadas nas 5 semanas anteriores, no mesmo local, houver, no máximo 1000 Coliformes Termotolerantes ou 800 Escherichia coli por 100 mililitros.
Imprópria: Quando em mais de 20% de um conjunto de amostras coletadas nas 5 semanas anteriores, no mesmo local, os resultados das análises forem superiores a 1000 Coliformes Termotolerantes ou 800 Escherichia coli por 100 mililitros, ou quando o valor obtido na última amostragem for superior a 2500 Coliformes Termotolerantes ou 2000 Escherichia coli por 100 mililitros. b) A Resolução CONAMA nº357, de 17 de março de 2005, considera que as águas podem ser destinadas à recreação de contato primário quando a contagem de cianobactérias for de até 50000 células/mL ou 5mm³/L.

Neste verão (2016-2017) será monitorada a qualidade da água em 83 pontos de monitoramento no Estado, em 43 municípios. Sendo 33 locais de monitoramento no Litoral Norte, 19 no Litoral Médio, 5 no Litoral Sul, 14 na Região Hidrográfica do Guaíba e 12 na Região Hidrográfica do Uruguai. Nesta temporada a primeira divulgação será no dia 23 de dezembro de 2016 e a última no dia 03 de março de 2017.

Clique aqui para ver o resumo das condições de balneabilidade para os pontos monitorados pela FEPAM

As coletas e análises das águas para o período do verão 2016/2017 estão sendo realizadas pelo laboratório da FEPAM, nos balneários do Litoral Norte, e pela CORSAN, nos balneários do Litoral Médio, Litoral Sul e nas Regiões Hidrográficas do Guaíba e do Uruguai. Para avaliar as condições de balneabilidade das praias e balneários do Estado são utilizados os parâmetros Coliformes Termotolerantes (FEPAM) e Escherichia coli (CORSAN), indicativos de contaminação fecal. Em alguns pontos é realizada a análise de cianobactérias.Tal avaliação tem por objetivo verificar a ocorrência de proliferação ou excesso de cianobactérias (floração) em pontos considerados críticos de balneabilidade, seja por floração ou por alto índice de Coliformes Termotolerantes. As cianobactérias são organismos potencialmente produtores de toxinas - hepatotoxinas, neurotoxinas e dermatotoxinas, que podem levar a intoxicações agudas ou crônicas.

Os critérios de balneabilidade em águas brasileiras consideram duas categorias para águas doces, salobras e salinas: Próprias ou Impróprias para banho. Os resultados das campanhas semanais do Projeto Balneabilidade são divulgados às sextas-feiras através do site da FEPAM e em jornais de grande circulação no Estado.

Balneários

Clique no município em que você veraneia para obter informações sobre as condições atuais de balneabilidade

Pedro Osório Arroio Grande Santa Vitória do Palmar Palmares do Sul Tapes Arambaré Cristal São Lourenço do Sul São José do Norte Rio Grande Mostardas Santo Antônio da Patrulha Torres Arroio do Sal Osório Capão da Canoa Xangri-lá Imbé Tramandaí Cidreira Balneário Pinhal Candelária Restinga Seca Cachoeira do Sul Rio Pardo São Jerônimo Guaíba Viamão General Câmara Barra do Ribeiro Santa Maria Nova Palma Mata Jaguari Dom Pedrito Santiago Itaqui Manoel Viana São Francisco de Assis Alegrete Rosário do Sul Cacequi São Vicente do Sul

Para consultar os dados históricos das condições de balneabilidade, a partir de 2003, clique aqui.

E as informações referentes às campanhas de 2015/16, confira aqui.

Todos os balneários avaliados pelo Projeto recebem sinalização local das condições de balneabilidade (PRÓPRIA ou IMPRÓPRIA), em frente aos pontos onde são coletadas amostras de água para análises laboratoriais, que são atualizadas semanalmente. Nesta temporada, com a participação dos municípios do Litoral Norte e Litoral Sul e do Corpo de Bombeiros Militar, serão colocadas placas indicativas das condições de balneabilidade, nas guaritas, em local de fácil visibilidade.

  • Observe se a condição da água é própria para o banho no local onde você está. Não coloque sua saúde em risco.
  • Todo o lixo que você produzir na beira da praia não deve ser deixado na areia. Garrafas, canudos plásticos e resíduos orgânicos devem ser colocados na lixeira mais próxima. E procure não misturar o lixo seco do orgânico.
  • Não leve seu cachorro para a beira da praia. Não é bom para ele nem para os veranistas. Os cães contaminam a areia da praia e a água do mar com vários tipos de doenças, entre elas o bicho geográfico. E ele também está sujeito a contrair doenças com a exposição prolongada ao sol.
  • Não ande de moto ou carro sobre as dunas. São locais de proteção natural contra as ressacas do mar e habitats de espécies ameaçadas de extinção como o tuco-tuco.
  • Evite tomar banho em época chuvosa. Geralmente, quando ocorrem fortes chuvas, a tendência é de carregamento de efluentes/resíduos para os cursos d'água, o que pode ocasionar picos de contaminação nos rios. Assim sendo, evite tomar banho nos períodos de cheia do rio, quando o leito está fora do seu curso normal.

 

PERGUNTAS FREQUENTES

1- Quando um local é considerado impróprio para banho?
Quando é evidente a contaminação por esgotos e quando, no mínimo, duas análises das águas, de uma série de cinco amostras, assim o indicarem.

2- Quando um local é considerado próprio para banho?
Quando as análises das águas não apresentarem contaminação de esgotos em, no mínimo, quatro de cinco amostras realizadas.

3- O que são cianobactérias e qual a importância do monitoramento destes organismos na balneabilidade?
São organismos (também chamados algas azuis) que estão presentes principalmente na água, e podem produzir substâncias tóxicas para os humanos, os animais selvagens e domésticos. O contato direto da pele em atividades de recreação pode resultar na irritação ou erupções na pele,inchaço dos lábios,irritação dos olhos e ouvidos, dor de garganta,inflamação nos seios da face e asma.

4- Quais os riscos do contato com a água classificada como imprópria?
A água classificada como imprópria, de acordo com os parâmetros analisados (Coliformes Termotolerantes e Escherichia coli), pode conter os microrganismos patogênicos causadores de doenças como amebíase, giardíase, gastroenterite, febres tifóide e paratifóide, hepatite infecciosa e cólera, diarréia, doenças de pele e infecções nos olhos, ouvidos e garganta.


FEPAM - Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler
Proteja o Meio Ambiente. Você também é parte dele.
Av. Borges de Medeiros 261 – 90020-021 - Porto Alegre – RS
Central de Atendimento: 3288.9444 – 3288.9544 – 3288.9451
Horário da Central de Atendimento: 09:00-12:00 / 14:00-17:00
2002 - 2017 © Copyright - Todos os direitos reservados.